10 Razões para Abandonar a Termografia Manual da Infraestrutura Elétrica

10 Razões para Abandonar a Termografia Manual da Infraestrutura Elétrica

No cenário em rápida evolução do gerenciamento da infraestrutura de energia elétrica, o advento do monitoramento inteligente preditivo baseado em sensores representa um avanço significativo.

Os métodos tradicionais, como a termografia anual e as inspeções periódicas, são há muito tempo o padrão na manutenção e monitoramento de sistemas elétricos. No entanto, estas abordagens são cada vez mais reconhecidas como insuficientes face às crescentes exigências de confiabilidade, segurança e eficiência na distribuição de energia.

À medida que a indústria caminha em direção a soluções mais inteligentes e proativas, o papel da Internet das Coisas Industrial (IIoT) com inteligência, detecção preventiva de falhas e otimização operacional torna-se inegavelmente crucial.

Aqui estão os 10 motivos pelos quais você deve abandonar a termografia anual da infraestrutura elétrica e usar o monitoramento inteligente preditivo contínuo baseado em sensores:

1) O monitoramento inteligente preditivo é projetado para identificar um evento prestes a acontecer – O processamento das informações em tempo real dos sensores pode fornecer uma visão da evolução da infraestrutura de uma forma verdadeiramente preditiva;

2) Mesmo que um evento ocorra repentina ou inesperadamente, o monitoramento inteligente preditivo e os recursos baseados em sensores permitem que a equipe técnica isole a causa principal mais rapidamente do que em outra abordagem;

3) O monitoramento inteligente preditivo reduz a exposição do técnico ao risco;

4) A termografia anual tradicional representa uma inspeção de menos de 1% do tempo operacional deixando 99% dependente da sorte;

5) Ao contrário da inspeção termográfica, o monitoramento contínuo por sensores pode controlar continuamente as cargas elétricas operacionais mais críticas;

6) A inspeção periódica significa que os dados coletados permanecem independentes e não são integrados para criar informações dinâmicas e insights acionáveis;

7) O monitoramento através da IIoT com o uso de sensores fornece precisão; a inspeção e medição periódica dependem tanto da habilidade do equipamento quanto do operador para correlacionar a verdadeira temperatura interna (e, portanto, nunca são de qualidade uniforme);

8) As taxas de transmissão de infravermelho por uma ‘janela térmica’ podem deteriorar significativamente com o tempo – isso afeta a precisão das leituras de temperatura;

9) Os fabricantes de câmeras de imagem térmica afirmam que um requisito essencial para obter dados de temperatura precisos é que a câmera deve ter linha de visão direta para o condutor sendo inspecionado (a precisão é comprometida por possíveis obstruções e pelo fato de que as janelas térmicas têm níveis variáveis e deteriorantes de transmissão de infravermelho);

10) Um segundo requisito dos fabricantes de câmeras de imagem térmica é que o condutor que está sendo fotografado termicamente deve operar com uma carga mínima de 40% da carga projetada. Por exemplo, se o circuito for projetado para 3kA, ele deverá estar operando a no mínimo 1,5kA no momento da inspeção. Isto raramente é observado por quem realiza inspeções térmicas de equipamentos elétricos e não é do conhecimento da maioria dos proprietários/operadores dos equipamentos.

Conclusão

Ao abordar as deficiências dos métodos tradicionais de monitoramento, a IIoT com o uso de sensores emerge como uma solução superior, oferecendo precisão incomparável, operação contínua e recursos preditivos aprimorados. Este artigo não só destaca o papel crítico do monitoramento contínuo através de sensores na modernização da gestão da infraestrutura energética, como também enfatiza a sua contribuição para a segurança, eficiência e confiabilidade no setor.

A adoção do monitoramento preditivo contínuo baseado em sensores, conforme claramente delineado em nossa discussão, não é apenas uma inovação; é uma evolução necessária na forma como abordamos a manutenção e supervisão dos nossos sistemas de energia.

Com informações: Exertherm

Gostou desse artigo?

Compartilhe no Linkdin
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe por E-mail
Compartilhe pelo WhatsApp
Compartilhe pelo Telegram

Assine a nossa newsletter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *